Violência Doméstica

A violência doméstica é um abuso que pode ser físico, sexual, psicológico, financeiro, emocional e/ou moral que tem como objetivo manter o poder e o controle sobre a outra pessoa. Geralmente ocorre entre dois adultos que são ou foram parceiros íntimos ou membros da mesma família. Esse abuso pode acontecer por meio de ações, palavras ou até mesmo por meio de omissão e negligência.

No caso da mulher brasileira no Reino Unido, essa situação é agravada pelas diferenças culturais e pelo pouco entendimento da língua e do sistema legal britânico por parte da vítima. Muitas vezes, as mulheres são dependentes dos parceiros devido a condições imigratórias, como vistos e documentos para ela e seus filhos.

Uma das táticas mais comuns pelo agressor eh de isolar a vitima, amedrontar, ameaçar e abusar.

 

Tipos de violência:

 Psicológica:

  • Causar medo e forçar submissão;
  •  isolar ou tentar isolar a vítima de amigos, família, escola e/ou trabalho.

 

Sinais de violência psicológica:

  • Ameaça de denúncia à imigração, caso a mulher não se submeta às suas exigências
  • Negar acesso ao conhecimento da língua e das leis do país.
  •  Recusa em legalizar ou fornecer documentação para mulher e/ou crianças.
  • Ameaça de denúncia ao serviço social, acusando a esposa de não cumprir com seu papel de mãe.
  •  Levar os filhos para longe, afirmando que a mulher não tem poder decisório sobre o bem- estar da família.
  •  Intimidar, ameaçar e/ou agredir a mulher ou outros (filhos ou próximos).
  •  Ameaçar sequestrar ou prejudicar os filhos.
  • Chantagem emocional.
  •  Ameaça de suicídio ou de destruição de bens materiais.
  •  Maltratar ou matar animais de estimação, fazer jogos mentais, assediar.
  •  Proibir ou controlar uso de telefone, email, skype etc.
  •  Proibir ou controlar uso de transporte, determinando por vezes onde a mulher pode ou nao pode ir.
  •  Prejudicar relações pessoais, perturbar outros, ter ataques de ciúme, fazer acusações sem fundamento, aprisionar (sem permitir saída) e negar privacidade.

 

Emocional:

 Desvalorização e destruição da autoestima

 

Sinais de Violência Emocional

  •  Crítica constante e desvalorização de habilidades e competências.
  •  Xingamentos, insultos, humilhação.
  •  Tratar com indiferença, ignorar ou não conversar.
  •  Manipular sentimentos e emoções, de forma a provocar culpa na parceira.
  • Colocar os filhos contra a mãe e quebrar promessas constantemente.
  • Ter relações extraconjugais, mentir, desrespeitar e humilhar a esposa na frente de outras pessoas.
  •  Recusa em colaborar na educação com os filhos ou nos trabalhos domésticos, forçando a esposa a arcar com todas as responsabilidades domésticas.

 

Econômica:

Criar dependência financeira ou controlar o uso e acesso ao dinheiro ou a benefícios/documentos.

 

Sinais de violência econômica:

  • Manter controle total sobre as finanças, incluindo renda própria da mulher, proveniente de trabalho, benefícios ou seguro social.
  •  Nao repassar nenhum dinheiro, ou prover a esposa com um valor insuficiente.
  •  Proibir a mulher de trabalhar fora ou colocá-la para trabalhar sob sua supervisão e submissão.
  • Exigir prestação de contas de todos os gastos.
  •  Forçar a parceira a assinar documentos ou usar seu nome sem conhecimento.
  • Ocultar informações sobre a situação financeira da família, como gastos e pagamentos que incluem o nome da mulher.

 

Física:

Ameaçar ou causar danos físicos.

 

Sinais de violência física:

  •  Agarrar, beliscar, empurrar, bater, morder, segurar, jogar objetos, ameaçar com faca ou arma.
  • Negar ou controlar acesso a necessidades básicas, como medicamentos, alimentos, consulta médica, educação ou trabalho etc.

 

Sexual:

Forçar ou tentar forçar qualquer contato ou ato sexual sem consentimento.

 

Sinais de violência sexual:

  •  Forçar a relação sexual com o parceiro ou com outros.
  •  Ataques contra as partes sexuais do corpo.
  •  Forçar a parceira a se prostituir, tirar fotografias, participar de filmagens ou se expor.
  • Acusar de traição ou infidelidade.
  •  Crítica ao desempenho sexual.

 

Isso é crime?

Embora a violência doméstica ocorra muitas vezes por trás de portas fechadas, é crime punível por lei independentemente do seu estado imigratório. Todos nós somos afetados e temos a responsabilidade de lidar com este problema.

 

Reconhecer o problema

É muito difícil admitir a violência doméstica até para você mesma. No entanto, este é o primeiro passo para obter ajuda e segurança. Você pode sentir que de alguma forma você é culpada pelo comportamento do parceiro, pode se sentir constrangida ou envergonhada e pode até mesmo acreditar que as coisas vão melhorar. Vale lembrar que, a não ser que o seu parceiro assuma a responsabilidade pelas ações abusivas e aceite receber ajuda, o mais provável é que ele não mude e que a sua situação continue a mesma ou até piore com o tempo.

 

Vale lembrar também que a violência e o abuso não são sua culpa! Ninguém tem o direito de abusar de outra pessoa, e você tem direito à segurança e a receber apoio.

 

Como posso obter ajuda?

Se você está sofrendo abuso, é preciso:

  •  Reconhecer que o que está acontecendo com você é violência doméstica.
  • Aceitar que você não tem culpa e que não pode controlar a violência ou abuso de outros sobre você.
  • Procurar ajuda e criar seu plano de segurança pessoal.

 

Como agir em caso de emergência

Em caso de emergência, o fator mais importante é a sua segurança física e de seus filhos. Em situações extremas, ligue para 999, chame a polícia e dê seu endereço completo. Caso não se sinta segura com o inglês, é necessário que aprenda a falar o mínimo e que saiba o seu endereço. Tudo o que precisa dizer é: “Police for domestic violence”, seguido do seu nome e endereço (decore o código postal).

 

Plano de segurança pessoal

            Estes são alguns passos a seguir, mas lembre-se que a situação de cada uma é diferente da outra. Siga apenas as dicas que ache necessárias. Iremos conversar sobre como agir em caso de emergência e como se preparar para lidar com essa situação.

  •  Saiba onde esta o telefone mais próximo. Se você tem um telefone celular
    tentar mantê-lo com você em todos os momentos carregados e com crédito (para 999 as chamadas são gratuitas). Se isso não for possível, identifique um loca lseguro em sua casa, onde você pode ter acesso a ele em caso de emergência.
  • Identifique um ou mais de seus vizinhos que você poderia contar sobre a situação (se for seguro fazê-lo) e peça que eles chamem a polícia caso ouçam alguma perturbação proveniente de sua casa.
  •  Escolha um amigou ou membro da familia que seja de confiança para contar-lhe a situaçao. Peca ajuda para que ele (a) se mantenha informado(a) sobre você. É importante criar uma palavra de código para usar com seus filhos, familiares, amigos ou vizinhos para caso você precise deles para chamar a polícia. Lembre-se que em caso de emergencia ligar para 999 (ensine para as crianças o que eles precisam dizer, por exemplo, seu nome e endereço completo)
  • Em caso de briga ou argumentos, tente mover-se para uma sala ou area onde voce tem acesso a uma saida. Tente ficar longe do banheiro, cozinha e quarto, ou locais onde armas ou facas estejam acessíveis.
  •  Planeje sua rota de fuga e pratique como sair de sua casa de maneira rápida e segura.
  •  Considere onde você pode fugir em caso de emergência, identificar vizinhos, parentes ou amigos. Outra alternativa é ir para a delegacia de polícia mais próxima.
  • Se você ou as criancas foram feridas, ligue para o 999 requisitando uma ambulância, vá para o seu hospital local A & E (serviço de urgência ), ou o seu médico GP. Se possivel, tire fotos de machucados causados para servir de evidência da violência no futuro.
  •  Mantenha uma bolsa de emergência com seus pertences essenciais para deixá-lo com alguém de sua confianca (somente se for seguro fazê-lo):

 

Documentos

 (O ideal seria ter os originais, mas caso nao seja possivel, tente tirar cópia sem que ele perceba):

  • Certidões de Nascimento sua e das criancas.
    Passaportes e / ou documentos de viagem para você e seus filhos
  • Número de Seguro Social (Insurance Number)
  • Carta de beneficios
  • Visto/autorização de trabalho
  • Referentes a casa: Contrato de locação, arrendamento, escritura da casa, etc
  • Certidao de casamento ou divórcio – e custódia de filhos
  • Referentes ao carro: matricula MOT e papéis do seguro
  • Cópias de quaisquer ordens judiciais
  • Boletim de ocorrência
  • Qualquer documentação relativa ao abuso: relatório policial, fotos, gravações, etc.

 

Questõe relativas  a Dinheiro

 (Tente manter consigo sempre que possível)

  • Cartão de crédito/débito
  • Dados bancários/ livros de cheques
  • Detalhes de outros investimentos, como poupança ou ISA

 

Outros objetos para tentar manter em seu poder.

  • Chaves da casa, escritório ou carro.
  • Celular e carregador (ou um cartão de telefone)
  • Medicação ou prescrição médica
  • Jóias de valor
  • Diário e livro com endereços
  • Fotos de você, das crianças e do pai
  • Produtos de higiene pessoal / fraldas e coisas para filhos pequenos
  • Muda de roupa para você e para as crianças

 

Reflita

Pensar em sair e tomar uma decisão para agir pode ser um processo longo. Planejar não significa que você tem que cumprir de imediato, mas pode ajudá-la a considerar as opções disponíveis, e se preparar para caso a situação se complique.

 

Para maiores informacoes entre em contato conosco no celular 07905919507

 

Ou se preferir, contate outras organizações que possam aconselhar e ajuda-la :

Women’s Aid UK

www.womensaid.org.uk

English National Domestic Violence Helpline

0808 2000 247
www.nationaldomesticviolencehelpline.org.uk

Wales Domestic Abuse Helpline
0808 80 10 800
http://www.allwaleshelpline.org.uk/

Women’s Aid Federation (Northern Ireland)
0800 917 1414
www.womensaidni.org

Scottish Women’s Aid
0800 027 1234
www.scottishwomensaid.org.uk

Men’s Advice Line
0808 801 0327
www.mensadviceline.org.uk

Broken Rainbow (for lesbian, gay, bisexual and transgender people)
0300 999 5428
www.broken-rainbow.org.uk

 

Ambe - Apoio a Mulher Brasileira no Exterior :: Ambe - Supporting Brazilian Woman Abroad - All rights reserved. Registered CIC